terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Breve resenha das séries heróicas

A muito tempo os super-heróis não tinham tanta força positiva na televisão norte-americana (e por consequência na TV a cabo... e nos torrents). Então, aproveitando a nova figura de mid-seazon-finale inventada e adotada pelas emissoras, eis minha opinião:


Agents of SHIELD


                A Marvel tinha um desafio, e AoS é grandiosa por aceitar uma gloriosa mas ingrata tarefa de seguir uma linha dentro do universo cinematográfico da Marvel. E infelizmente eles estão perdendo.
                Eu senti que eles foram forçados a mudar de foco com o final de "Capitão América 2" desde o final da temporada passada e ainda nesta. Um personagem que deveria ser herói virou vilão, o vilão "chefe" foi forçado a dizer que era da Hidra mas "tinha sua própria agenda", e os personagens mais hesitantes e de familiaridade tiveram de ser transmutados no "sério sem graça" que os outros são. No final, ainda precisaram incluir a ideia dos Inumanos serem as novas "Maravilhas", quando a série em seu começo já havia estabelecido que haviam seres assim independente.

Nota: 2/5

THE FLASH


                Sem dúvida a série da temporada. Ela assume uma premissa inversa à de ARROW. E acabou sendo bem sucedida. Não é perfeita. Ainda vemos um cidadão mais rápido que uma bala apanhando para um cara com velocidade normal. O que fizeram com o Nuclear é muito estranho e gratuito.
                Sem dúvida a participação de Arrow na evolução heróica foi crível e realmente uma etapa do processo, seja na questão "como abordar seus inimigos" sem gastar milhões da produtora com trens descarrilhando, seja lembrando da escala de cinza que é o "bem" e o "mal".

Nota: 4/5

ARROW


                Arrow pecou um pouco com o clima de novela, com a súbita doença do coração do Oficial Lance para impedir que contem da morte da filha, a inclusão do Brandon Routh como Ray Palmer já pensando na tecnologia do traje de encolher, e a gratuidade com a qual Merlin retornou à trama. Mas entre estes pontos negativos, a escalada de suspense no confronto com a Liga dos Assassinos e a participação do Flash foram muito benéficos. Muitos reclamaram que no confronto final todos sabiam o que iria ocorrer... Mas eu cogito mais as repercussões vindouras do que a "nerdice".

Nota: 3/5

CONSTANTINE


                O ator que protagoniza é louvável em seu esforço para manter a série viva, mas das quatro é obviamente a pior.
                Não consigo aceitar a lógica por trás das deduções e das soluções. O roteiro de todos os episódios era: 1 - um prólogo mostrando um crime COMUM cometido por uma criatura incomum; 2 - Constantine descobre imediatamente como resolver o problema (é só falar italiano!); 3 - A solução não funciona por causa da "Rizing Darkness"; 4 - Constantine descobre uma nova forma totalmente sem vínculo com a lógica (é só falar italiano DE TRÁS PARA FRENTE!); 5 - Ele diz que sua vida é uma merda e quem o segue vai quebrar a cara, mas as pessoas o seguem mesmo assim.
                A favor da série, os efeitos visuais e as caracterizações físicas dos personagens.
Nota: 2/5.